quinta-feira, 23 de julho de 2015

Estrelas

De madrugada acordei,
A cabeça, pela janela enfiei.
Uau, que espanto…!
Ali renasci d’encanto.

O céu de magia estrelado,
Como há muito não via.
De olhar arregalado,
Dormir já não conseguia.

De cabeça de fora,
Esqueço a hora,
Deixando-me ficar
Quase sem respirar.

Ao longe, o badalar
Do rebanho acordado.
Permite-me embalar
Ao colo do telhado.

Dois olhos pacientes
Contam 4 estrelas cadentes.
Impossível deixá-las fugir
Sem 4 desejos pedir.

O cenário pintado de paz
Pelas mãos de quem partiu
Torna o coração incapaz
De negar que ali os sentiu.

Nisto, uma hora voou
E o céu entretanto clareou.
Com ele, novo amanhecer,
Pronto para viver.

Agradeço este bocadinho
Por que o sono troquei.
Dedico-o, com carinho,
Ao Monte que recordarei.


  




 Sofia Cardoso
23 de julho de 2015

Sem comentários:

Enviar um comentário