sábado, 8 de agosto de 2015

Cena de uma noite de verão

Oh, vida difícil…!
Estou aqui indecisa entre deixar a janela aberta para me refrescar com a corrente de ar, pagando o preço de, com o som de um maldito karaoke levar (será karaoke ou um daqueles artistas que canta de tudo quanto não é seu…?) ou fechar a janela, em prol do silêncio, correndo o risco de sufocar.
«Sexta-feira de agosto em terra de turista, esperavas o quê? Ainda não te habituaste?» Pergunto-me, repetidamente, sem no entanto me conformar, apesar de andar nisto há anos suficientes para “comer e calar”.
É que a malta também dorme em agosto, sobretudo quem cá vive, mesmo que até esteja igualmente de férias.
Os acordes acertados da guitarra são marginalizados pela voz estridente que parece agradar a quem vai aplaudindo entusiasticamente e eu aqui, com isto, a ficar doente.
Adoro música ao vivo mas não assim, imposta de forma drástica ao ouvido. E também sou festeira, só não gosto que a festa me invada a casa, pela janela, mesmo sem me apetecer nela participar e sem nada que quanto a isso possa fazer.
É quase uma da manhã e não durmo, nem ouço bem a TV, nem leio, porque lá fora é o que se vê. Ou melhor, se ouve, ou se tolera enquanto que cá dentro quase se desespera.
Não somos obrigados a gostar e desejar festa diária ou sequer todos os fins-de-semana, somos? É que o principal sinónimo da palavra férias é, curiosamente, descanso, o que implica alguma paz, sossego e silêncio. Tanto mais se estivermos na nossa própria casa…
Calma, parece que alguém se calou e desandou. Posso, finalmente, ler umas páginas do livro que tenho à cabeceira (se o sono não me trair entretanto) enquanto lá fora os espectadores abandonam a vizinhança, batendo as portas dos carros, uma atrás da outra, como se continuassem a aplaudir, para depois, enfim, desligar a luz e conseguir dormir.
Hora de se deitarem, amigos, que a praia é mais saudável logo ao amanhecer e alguns dos habitantes locais (conterrâneos, talvez…) também estão de férias, se não se importarem.







    
 Sofia Cardoso
08 de agosto de 2015

Sem comentários:

Enviar um comentário