domingo, 13 de setembro de 2015

Avestruz

Fingir que não se vê e enfiar a cabeça na areia, qual avestruz, para justificar não ver de facto, não me parece ser uma atitude muito inteligente.
As coisas acontecem, quer se queira quer não e esconder-nos não nos protege, muito pelo contrário, deixa-nos curiosamente mais expostos ao sofrimento. Desde logo, porque se não vemos o perigo chegar, não o podemos evitar ou, pelo menos, acautelar. Se não o queremos ver ou prever, não aprendemos a dele nos defender.
A coragem implica, à partida, reconhecimento da ameaça, da adversidade. E querer constantemente negá-las, afirmando que está sempre tudo bem, ou mascarando o que não está, pintando a realidade com tintas de quinta, não é sinal de audácia, é evidência de fraqueza. De querer optar pelo caminho aparentemente mais fácil mas que mais tarde se revelará muito mais penoso.
De qualquer forma, não dá para fingir para sempre porque o buraco no chão vai abrindo, abrindo, e nem que seja à força vai revelando a verdade.
Não se ganha nada em adiar a realidade. Ao invés, perde-se tempo e por vezes consome-se mais energia na resistência do que no combate.
Os buracos da vida não foram feitos para nos enfiarmos neles, com medo. Foram feitos para nos ensinar a saltar, com bravura.
Tirar a cabeça da terra, ver, aceitar e tentar minimizar o impacto do que acontece à nossa volta, talvez diminuísse alguma amargura.


Sofia Cardoso
12 de setembro de 2015

Sem comentários:

Enviar um comentário