quinta-feira, 21 de abril de 2016

Eu, cidadã.

De miúda fiz-me mulher, com muito orgulho e sem precisar de quem me reconheça, por isso, um estatuto especial.
Em criança, sempre ajudei em casa, a par de brincadeiras, enquanto ia crescendo. Já universitária, fui babysitter e trabalhei numa loja, prescindindo de horas de diversão para juntar uns trocos para ir sustentando essa mesma diversão quando pudesse.
Acabado o curso, fiz as malas e mudei de distrito por amor, começando logo a estagiar. Fora de casa dos pais, passei a ter a minha e uma vida em comum para gerir.
Sempre tratei de tudo quanto são burocracias da vida adulta. As minhas e as de quem vivia comigo. Contas, prazos, obrigações, sempre foram uma das minhas muitas ocupações, mesmo partilhando tudo o resto.
Idealizei todo um casamento, desde a cerimónia à decoração da festa e de tudo tratei, ao pormenor, sem recurso a empresa XPTO de organização de eventos.
Agarrei sempre as poucas oportunidades de emprego que foram surgindo, mesmo fora da minha área de formação ou de preferência e nunca tive medo do trabalho. Fiz várias coisas em diferentes áreas e trabalhei longe de casa até decidir aumentar a família.
Grávida, desempreguei-me a pensar na bebé que aí vinha e num futuro profissional mais promissor. Enjoei durante nove longos meses, fiz retenção de líquidos a ponto de precisar de comprar calçado dois números acima do meu. Tive a minha primeira filha de parto normal, sem epidural e amamentei-a, sem pudores, exclusivamente durante 6 meses e ainda até aos 8. Fui apenas mãe e dona de casa, vivendo para ela e para as lides domésticas durante 14 meses, porque foi só com 14 meses que começou a andar e essa era condição de entrada imposta pelo infantário para a sala de 1 ano. Aí, voltei à luta por um novo emprego.
Entretanto, fui decorando a casa inteira, pintei paredes, montei e arrastei móveis, remodelei e reciclei.
De volta ao ativo, continuei a não saber o que era trabalhar perto de casa. Fazia 40 a 50 km por dia, numa estrada acidentada e palco de acidentes. Entrava às 09h e saía às 18h. Muitas vezes saía de casa a correr para levar a miúda à escola e saía a correr do emprego para fazer o percurso inverso, para que não fosse das últimas a sair e pudesse ainda desfrutar algum tempo de qualidade com ela.
Engravidei da minha segunda filha. Trabalhei até ao termo da gravidez, que acabou numa cesariana programada, que fiz contrariada, mas sem outro remédio porque ela estava sentada. Necessariamente, desta vez levei epidural mas a seguir sofri tudo igual porque tive uma hemorragia. Amamentei-a tanto quanto o seu crescimento permitiu. Dois meses apenas, muito menos do que a primeira, infelizmente.
Um ano depois, quis o destino (e a patroa!) que o meu posto de trabalho fosse extinto, porque a dita tinha outros planos para a vida profissional dela.
Sem alternativa, fiquei no desemprego um ano e aceitei a primeira oportunidade que surgiu. Cá estou, até hoje.
Muita coisa aconteceu entretanto e nunca baixei os braços, não desisti perante nenhuma adversidade, perda ou virei costas a qualquer responsabilidade.
Tudo mudou… Há um ano, depois de treze anos de um pedido de casamento, vi-me obrigada a aceitar um pedido de divórcio porque a vida e as circunstâncias não me deram outra hipótese. 
Por isso cá estou, sozinha com duas filhas, numa terra que não é a minha, quase sem família por aqui e com poucos mas muito bons amigos que, por mais que de uma ou outra forma me ajudem, não vivem a minha vida por mim.
O despertador toca lá em casa às 06h30m. Uma hora depois, estamos as três a sair para percorrer 30km da mesma estrada acidentada de outrora mas no sentido contrário. O meu horário tem início às 09h30m e no entanto, às 09h lá estou eu, mesmo nos dias em que só entro às 10h porque a mais velha começa as aulas logo às 08h30m e tive que as levar para perto de mim.
Findo o dia de trabalho, os mesmos km de volta. Entre atividades das miúdas, supermercado, jantar, loiça, roupas, ajudas com trabalhos de casa e afins, passam-se as poucas horas que me restam acordada e assim também os fins-de-semana que ficam reservados para tratar da roupa e fazer limpezas e logo se vê o tempo que sobra e para quê.
Desde que sou mãe, sempre cumpri religiosamente prazos de vacinas e consultas médicas, onde sempre foram comigo, perdendo horas de sono junto delas quando estão doentes. Sempre acompanhei os estudos, sem falhar reuniões, festas e outras participações. Sempre levei as minhas filhas às festinhas de anos dos amigos, ao cinema, ao parque infantil. Sempre contei histórias, fiz jogos e puzzles com elas, entre outras brincadeiras. Sempre tratei das listas e das compras de presentes de Natal, aniversários e afins. Bem assim, as listas de supermercado. Carreguei e carrego muitos sacos de compras, sozinha.
Acima de tudo e muito mais importante, sempre lhes dei muita atenção, mimo e educação, em qualquer fase ou circunstância, fazendo o melhor que sei e consigo, orientada pelos valores da minha formação.
Troquei o ginásio frequentado por dois curtos anos da minha trintona existência pela ginástica orçamental que faço para gerir impostos, seguros, despesas com casa, pessoais e correntes, na perspetiva do que sobra para a rúbrica “extras” e ainda, eventualmente poupar qualquer coisa.
Não me perco em centros comerciais e raramente vou ao cabeleireiro. Aliás, estou em modo “californiana com toques grisalhos” porque não faço nuances quase há um ano.
Não tenho empregada doméstica, nem babysitter ou avós disponíveis que me possibilitem ir só ali fazer qualquer coisa que precise, me dê jeito ou mero prazer.
De resto, contam-se pelos dedos as oportunidades que tenho para estar com a minha família ao longo do ano e perco-me na contagem de ocasiões importantes que tenho perdido das suas vidas ao longo do tempo…
Sou mãe a 100%, trabalhadora em horário completo, dona de casa por turnos e mulher no tempo que resta.
Como eu ou em situações muito mais complexas ou até incomparáveis, tantas outras mães que admiro, mesmo que não as conheça…
Posto isto, será que alguma de nós tem tempo ou sequer se interessa por tecer considerações teóricas e, permitam-me, patéticas, sobre o nome escolhido para o nosso documento de identificação? Acham mesmo que me adianta a vida ou me faz sentir mais mulher a alteração de um nome cuja designação é perfeitamente legítima à luz da Língua Portuguesa, que sempre usou o masculino em inúmeras circunstâncias com sentido genérico? Depois do cartão virá o quê, a “Loja de Cidadania” porque as senhoras podem achar que não são bem-vindas naquele espaço? Tenham paciência! Não têm nada mais importante para discutir? Ó senhores, querem mesmo perder tempo? Então, em sintonia com o país que temos hoje, chamem-lhe mas é “Cartão de Super-Herói” ou de “Super-Heroína” se o vosso sexismo fizer muita questão!








Sofia Cardoso
21 de abril de 2016

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Beijo

Se é de amor ou de paixão,
De amizade ou familiar
Vem direto do coração
De quem precisa de o soltar.

Quando de amor, é atrevido
E faz corar quem o recebe.
Às vezes, um convencido
Que de descrição nada percebe.

Outras vezes, escondido,
Preso porque cheio de medo
De não ser correspondido,
Espera, só e em segredo.

O primeiro, nunca se esquece…
Independentemente da idade
É aquele que nos engrandece
E que é sempre de verdade.

O último, cai no esquecimento
Porque a idade já implica
O seu quê de sofrimento
Que já nem ele dignifica.

Entre este e aquele,
Muitos têm que insistir.
Deixar de acreditar nele,
Seria deixar de existir.

Multiplique-se o beijo,
Oferecido ou roubado,
Fruto de um sentido desejo
Ou de um laço apertado.


Sofia Cardoso
13 de abril de 2016

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Simples detalhes

Num mundo de trivialidades, onde cada vez mais a superficialidade e o egoísmo atropelam valores fundamentais e relações humanas carentes deles, aprende-se à força a distinguir o trigo do joio, a não criar expectativas em relação a nada nem ninguém e a criar defesas contra a toxicidade de alguns ambientes e pessoas de que procuramos manter a devida distância.
Ao mesmo tempo, quanto menos se espera, mais valor se dá ao que se recebe, inesperadamente. Não é conversa fiada, aquela que defende que devemos olhar aos pormenores, diariamente. Simples detalhes que nos fazem ganhar o dia, que provam que a nossa simples existência é importante de alguma forma para alguém, que nos fazem sorrir e sentir bem. (E se o mundo precisa de sorrir…!)
Existem aqueles cujo sorriso vive na sombra de mágoas, invejas, mesquinhices. E depois existem aqueles que vivem de sorriso aberto no rosto, iluminando tudo e todos, à transparência por nada esconderem, temerem ou deverem.
A discrição, o silêncio, a contenção tornam-se armas que aprendemos a usar para nossa proteção e com elas acabamos por criar uma espécie de perímetro de segurança à nossa volta, só trespassado por aqueles que ainda acreditamos serem de verdade. E para se ser de verdade basta ter a capacidade de dizer, sem medos, aquilo que se sente, desinteressada e espontaneamente.
Um abraço inesperado, bem apertado, com um «gosto muito, muito, de ti» ao ouvido sussurrado, é um excelente pormenor para terminar um dia agitado e deixar-nos com um sorriso de esperança num futuro renovado.  


Sofia Cardoso
07 de abril de 2016