domingo, 25 de setembro de 2016

Metamorfose

Até 2015, era uma lagartinha que nunca se achou feia mas que se deixava arrastar pelo que à sua volta via, sem grande ambição ou convicção no quão longe poderia chegar.
Medo? Preguiça? Falta de tempo? Tudo razões plausíveis que um dia resolveu contrariar, quando começou a sonhar e a querer acreditar. Então construiu, com afinco, um casulo onde se fechou, durante um ano, sozinha a trabalhar. Durante todo esse tempo, retirou de cada um dos seus 365 dias uma cor bonita com que se pintar e foi-se transformando até criar um padrão que a fizesse brilhar.
Em 2016, já uma borboleta pronta para se apresentar, saiu do casulo, pelas próprias asas, decidida e sem receio de fraquejar. Foi quando percebeu que sabia voar e que nas mãos dos outros poderia pousar. Todos quantos agora a podem admirar e para sempre preservar.


Assim a mera escrita se fez livro e a mera criadora se fez escritora. Porque quando se sonha e se acredita só é preciso trabalhar, trabalhar, trabalhar...
E este processo todo, em que às vezes ainda é difícil acreditar, só prova que vale sempre a pena não deixar de lutar, porque um dia se consegue e o que ficou para trás foi só parte da construção do caminho para lá chegar.  

Sofia Cardoso