sábado, 31 de outubro de 2015

Miss you...

Imagino que estejas triste comigo. Magoado, desiludido, talvez até zangado…
Estou ausente a maior parte do tempo e, quando estou presente, de ti, bem distante.
Não te dou a atenção que mereces, apesar de te adorar e de tanto precisar de estar contigo. E preciso, acredita.
Não deves acreditar, eu sei. É mais fácil pensares que me esqueci que existes.
Não me esqueci. Simplesmente não tenho mesmo tido tempo, sequer para mim.
Sei-te aí, tão carente de mim como eu de ti e passo à tua frente, ocasionalmente, quase ignorando o quanto chamas por mim. É mais fácil, ou menos penoso, digamos assim.
A verdade é que a semana voa e mal nos vemos. Chegado o fim-de-semana, a saudade de repousar no teu colo, de ver um filme aconchegada, de adormecer nos teus braços, não é mais forte do que tudo o que me impede de o fazer.
Falta-me tempo, sobram-me tarefas e, no entretanto, ambos a sofrer. Tu, calado, impávido e sereno. Eu, cansada, imparável e acelerada. 
É assim, por enquanto. Talvez encontremos uma solução justa para ambos ou chegue o dia em que eu volte a ter tempo para simplesmente me atirar sobre ti, sem pensar ou hora de me retirar.
Até lá, quero apenas que saibas que sinto verdadeiramente a tua falta, meu querido sofá.

Sofia Cardoso
31 de outubro de 2015 

Sem comentários:

Enviar um comentário